Saiba como credenciar seu consultório em convênios odontológicos

6 minutos para ler

Uma das grandes dúvidas dos profissionais que estão entrando no mercado de odontologia é quanto a vantagem ou não de se credenciar em convênios odontológicos. Enquanto alguns atendem exclusivamente por esse meio, diversos outros alegam ser desvantajoso optar por essa modalidade de atendimento. Mas afinal, será que realmente vale a pena?

A questão é que não existe uma resposta exata para essa pergunta. A decisão do dentista de atender ou não usando um convênio é muito particular e depende de uma série de fatores, como a região do consultório, o público a ser atendido, os objetivos individuais do profissional, a estrutura disponível para atendimento e os resultados financeiros.

Neste artigo, mostramos como avaliar essas questões, além de trazer dicas de como credenciar o seu consultório odontológico em convênios e aumentar o número de pacientes. Ficou curioso? Então, continue a leitura e descubra!

1. Análise estratégica do seu negócio

Antes de iniciar uma busca por convênios junto ao mercado, é importante que o profissional realize uma análise da sua estrutura física, dos seus objetivos profissionais e do seu perfil. Afinal, não é qualquer dentista que tem as características ideais para trabalhar com convênios.

A grande vantagem dos planos odontológicos é que eles ajudam profissionais em início de carreira a adquirir experiência e ampliar o rol de pacientes atendidos. Como muitos não conseguem manter suas clínicas apenas com consultas particulares, os convênios são opções atrativas que ajudam no equilíbrio das finanças.

Por outro lado, convênios são sinônimo de burocracia, uma vez que o profissional precisa se relacionar com uma empresa que detém uma carteira de beneficiários (pacientes) e que fará uma gestão dos encaminhamentos e pagamentos. Ou seja, são três figuras distintas envolvidas no processo: o dentista, o paciente e o plano.

Para atender nesses moldes, é importante que o profissional seja extremamente organizado e tenha uma equipe de trabalho que atue de forma adequada em todas as etapas do processo. Isso inclui, por exemplo, o preenchimento das Guias de Tratamento Odontológico (GTOs), a análise das regras de carência, a atenção com relação à glosa e o cuidado com o correto envio e controle de imagens e exames ao plano.

Nesse sentido, antes de buscar um convênio e realizar o credenciamento é recomendado que o profissional analise todas essas questões, avaliando se tem o perfil para atender nessa modalidade.

2. Planejamento e pesquisa de mercado

Se após a avaliação do seu negócio e dos seus objetivos profissionais você perceber que tem o perfil e as condições necessárias para atender via convênio odontológico, o passo seguinte que dá início ao processo de credenciamento é o planejamento e a pesquisa de mercado.

Planejar-se significa estabelecer como será a rotina do consultório após o credenciamento. É importante que você estabeleça processos  a serem seguidos pelos responsáveis pela gestão e controle dos atendimentos via plano de saúde. A organização deve começar antes mesmo do credenciamento junto ao serviço.

Concomitante a isso, você já pode começar a realizar uma pesquisa de mercado, buscando informações a respeito dos principais planos existentes, entendendo como cada um deles funciona e qual das alternativas melhor se encaixa ao perfil do seu consultório.

Uma questão importante durante essa pesquisa de mercado é a avaliação das áreas de atuação do plano. É preciso atentar para o fato de que o convênio deve ser uma opção de alta demanda na sua região de atuação.

3. Análise dos valores dos procedimentos e dos custos envolvidos

Após realizar a pesquisa de mercado, você terá algumas opções selecionadas. Nesse momento, é preciso partir para a análise dos valores dos procedimentos e dos custos envolvidos no credenciamento.

De forma geral, o credenciamento em convênios odontológicos não tem custos para o profissional. Todavia, algumas operadoras exigem que ele tenha um tempo mínimo de experiência após a conclusão do curso de odontologia. Os prazos variam de até cinco anos. Por isso, é preciso verificar se você se enquadra nos requisitos exigidos.

Nessa etapa, além de avaliar as regras e condições impostas pela operadora, é preciso dar uma atenção especial ao fator remuneração. Como esse assunto é muito relativo e varia de um convênio para o outro, é necessário que o profissional avalie qual será o valor final pago pela operadora ao dentista em cada procedimento e se ele é compatível com o planejamento financeiro do consultório.

Vale destacar que é possível negociar esses valores no fechamento do contrato com o consultor de credenciamento do convênio odontológico, se eles não estiverem alinhados com as suas necessidades. A principal dica para os profissionais é verificar a tabela de valores, que vai determinar se realmente vale a pena, sob a perspectiva financeira, começar a atender via plano odontológico.

4. Análise das coberturas do plano odontológico

Por fim, o último aspecto importante e que precisa ser observado pelo profissional são as coberturas oferecidas pelo plano. Normalmente, os convênios oferecem uma cobertura mínima, seguindo as regras da Agência Nacional de Saúde.

Isso significa que os tratamentos considerados de média e alta complexidade não costumam estar contemplados no plano. Isso pode representar uma decisão estratégia dos profissionais, tendo em vista que eles captam pacientes para o atendimento no nível básico, com o objetivo de que se tornem pacientes particulares em demandas não cobertas pelo convênio odontológico.

Isso significa que você pode atender o cliente pelo plano, recebendo um valor não tão expressivo em procedimentos básicos, mas criará a condição de mantê-lo na sua clínica, ofertando e cobrando de forma particular por tratamentos não cobertos pelo convênio.

Como você pode ver, o processo de credenciamento em um plano odontológico é relativamente simples. A decisão de atender nessa modalidade depende muito mais da análise do perfil e dos objetivos do profissional, tendo em vista que alguns dentistas não se adaptam à burocracia e às regras do plano.

Se você é profissional e quer atender via convênio, é importante ter em mente que a melhor decisão deve ser tomada com base em convênios reconhecidos no mercado de odontologia. Verifique se eles oferecem um suporte adequado para que você desenvolva o seu trabalho de forma eficiente e com a qualidade necessária para fidelizar os seus pacientes.

Você gostou deste artigo sobre como se credenciar em convênios odontológicos? Então, assine a newsletter da Nexto Dental e fique por dentro dos nossos conteúdos exclusivos sobre o mercado de odontologia.

Posts relacionados

Deixe uma resposta